Tudo em comum

"E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum..." (Atos 2.44).

Normalmente quando olhamos para este texto das Escrituras, logo nos vem à mente a partilha dos bens que cada um fazia, mas a vida em comum da Igreja vai muito além de bens materiais.

A primeira coisa que podemos ver pelo texto de Atos 2, no verso 44, é que os que criam estavam "juntos". Eles compreenderam como diz o texto de I Pedro, capítulo 2, no verso 9, que eram entre os próprios judeus, uma nação santa, um sacerdócio real, um povo adquirido, isto é, que andavam pelo Espírito na presença do próprio Deus.

Os que antes eram fariseus ou saduceus estavam agora juntos. Se antes eram escravos ou livres, bárbaro ou cita, homem ou mulher, que importa! Agora estavam em Cristo, eram um em Cristo. A inimizade tinha sido desfeita na cruz: "E pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades" (Ef. 2.16).

Os que criam estavam juntos. Eles estavam juntos porque tinham algo em comum. Não somente algo, mas tudo em Cristo, e em comum. Não mais viviam vidas individuais, propósitos individuais, ambições e realizações pessoais. Agora tinham um só caminho, um só coração e uma só alma (Atos 4.32).

Se somente os nossos bens forem repartidos, após fazermos isto acabaria a comunhão, a não ser que continuássemos repartindo, e repartindo. O que eles tinham em comum era uma Pessoa, um corpo, uma fé, e uma esperança eterna, e não somente bens.

Esse deve ser um princípio básico de alguém que diz crer: andar junto. Se em nós houver qualquer tipo de facção, então há algum propósito escuso. Trazemos conosco algum conceito, ou preconceito, ou algo ainda pior, uma soberba e algum desejo de glória humana.

Amados, a promessa do Pai é que tivéssemos em Cristo um mesmo caminho e um mesmo coração: "E lhes darei um mesmo coração, e um só caminho, para que me temam todos os dias" (Jer. 32.39).

O propósito do Senhor como corpo de Cristo é que estejamos juntos, e tenhamos tudo em comum, principalmente no que diz respeito às coisas espirituais. O nosso coração e a nossa alma têm que ser um só. Amando uns aos outros. Perseverando unânimes. Perdoando uns aos outros. Orando uns pelos outros. Exortando uns aos outros. Edificando uns aos outros. Sujeitando-nos uns aos outros. Suportando-nos uns aos outros. Preferindo-nos em honra uns aos outros. Edificando-nos uns aos outros. Estimulando uns aos outros às boas obras, e principalmente recebendo-nos uns aos outros.

Uns aos outros é ter tudo em comum. Este tudo é a Pessoa do nosso Senhor Jesus Cristo, porque Ele é tudo e em todos. Para quem iremos nós se perdermos este caminho? E se estamos no caminho, estamos juntos. Se não temos em comum as coisas espirituais, então algo está errado.

Um exemplo bendito disto é a caminhada para Jerusalém. Os caminhantes se encontravam no caminho, todos com um mesmo propósito, com um mesmo parecer, para um mesmo lugar. Esta unidade está no Espírito e devemos guardá-la com toda humildade e mansidão, porque os caminhantes nEle não errarão.