As duas visões de Jesus

O verbo ver nas Escrituras é muito significativo. Na língua portuguesa ver é olhar, fixar os olhos, mas no original grego o verbo ver pode ter vários significados.

João 20: 6-8, nos fala mais claramente sobre isto: "Chegou, pois, Simão Pedro, que o seguia, e entrou no sepulcro, e viu no chão os lençóis, e que o lenço, que tinha estado sobre a sua cabeça, não estava com os lençóis, mas enrolado num lugar à parte. Então entrou também o outro discípulo, que chegara primeiro ao sepulcro, e viu, e creu".

Quando diz que Pedro viu os panos, o verbo no original grego é teorei. Ali diz que ele contemplou, examinou, mas não pode compreender como aquele lenço podia estar enrolado separado dos lençóis. Quando fala de João, o verbo viu no original é eiden, isto é, ele viu e compreendeu, ele entendeu que Jesus tinha ressuscitado, e então creu. Pedro viu os panos, e formulou várias teorias, mas João teve revelação na sua visão e pode crer.

Mas João teve uma outra visão de Jesus em Apocalipse 1.12:18. Na primeira ele teve uma visão de fé. Os seus olhos foram abertos para crer no Senhor e na obra realizada na cruz. Naquele momento ele somente teve a revelação da Sua ressurreição, mas a segunda viu a Jesus em toda a sua glória. O apóstolo Paulo também teve estas duas visões. A primeira foi no caminho de Damasco; a segunda, quando foi arrebatado ao terceiro céu, onde ouviu coisas inefáveis que ao homem não é digno revelar (II Cor. 12.1-4).

A primeira visão que tivemos, foi para nos dar entendimento pelo Espírito para compreendermos as coisas que nos foram dadas gratuitamente por Deus. Coisas que os olhos carnais nunca viram e jamais podiam ver (I Cor. 2.9-13). Mas há a necessidade de outra visão, a de Jesus glorificado. Para vermos isto é necessário outro milagre do Senhor: que Ele nos dê o espírito de sabedoria e de conhecimento. Esta é uma visão que vem pelos olhos espirituais (Ef. 1.17-20).

A cura daquele cego de Betsaida também nos ensina sobre essas duas visões de Jesus (Luc. 8.22-25). A primeira é um milagre real. Fomos regenerados, libertos de nossa natureza perversa e escrava do pecado para andarmos em novidade de vida. Mas será que conseguimos ver o Senhor? Este cego não viu o Senhor. Como este cego, nós também podemos andar um bom tempo não enxergando claramente, vendo apenas os homens e não o Senhor.

Creio que apenas depois de vermos a Jesus, o Cristo exaltado à destra de Deus, com todo o poder nos céus e na terra, iremos fixar os nossos olhos nEle, o autor e consumador da fé (Hebreus 12.2). Só depois disso, iremos fazer como João: cair aos seus pés como morto; negarmos a nós mesmos, tomar a nossa cruz e segui-lo.

»»» Ver anteriores

EQUIPE REDATORA
Gonzalo Sepúlveda, Rodrigo Abarca, Roberto Sáez, Marcelo Díaz
TRADUÇÕES
Edward Burke Junior

Revista Águas Vivas
REVISTA ÁGUAS VIVAS
Nº 72


AGUAS VIVAS
Site em espanhol


LIVING WATERS
Site em inglés

SO PALAVRA DE DEUS
Site em portugués

VIDEOS EM YOUTUBE

ESQUINA DE COMUNÃO
Blog em portugués

CHARIS
Site em portugués

T. AUSTIN SPARKS
Site em portugués

***

REVISTA EM PORTUGUÉS
41 42 43 44 45 46 47 48 49
50 51 52 53 54 55 56 57 58
59
60
61 62 63 64 65 66 67
68
69 70
71

***